Moradores de Baixo Guandu ocupam ponte à espera da lama no ES

 
Moradores de Baixo Guandu, no Noroeste do Espírito Santo, se reuniram em uma ponte que liga a cidade ao município de Aimorés (MG), na tarde desta segunda-feira (9), para aguardar a chegada da enxurrada de lama ao Rio Doce. A intensão de muitos é esperar a lama que vem das barragens da Samarco. O município será o primeiro a receber os rejeitos da mineradora, previsto para ocorrer na madrugada desta terça-feira (10).
O rompimento de duas barragens de rejeitos aconteceu na quinta-feira (5) e causou uma enxurrada de lama no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais. A lama também chegará ao Espírito Santo e deve afetar o abastecimento de água de municípios.
A notícia preocupou os moradores, que se reuniram na ponte para esperar a chegada da lama. “Vim com um pouco de preocupação e um pouco de curiosidade. Como a gente reage para esperar essa lama? Ninguém sabe como ela virá, se forte ou fraca”, falou a dona de casa Leidiane Monteiro.
O gari João Batista Barcelos também foi atraído pela curiosidade. “Quero ver se ela vai causar algum dano mesmo”, disse.

Para o prefeito Neto Barros, não há perigo de os moradores ficarem no local. “Eles têm costume de ficar ali quando tem enchente, ficam sempre acompanhando. A Polícia Militar está no local também, para monitorar”, disse.
No município, a população já vem se preparando para a situação, já que o abastecimento de água será interrompido para análise assim que a lama de rejeitos chegar ao rio que abastece a cidade. Moradores têm feito armazenamento principalmente em caixas d’água extras, piscinas e estoque de galões de água mineral.

“Nosso estoque de caixas d’água acabou desde sábado. Vendemos tudo”, disse o vendedor Weslei Milagre.
Samarco tem que distribuir água e monitorar rio
O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) informou, nesta segunda-feira (9), que a mineradora Samarco tem que distribuir água aos moradores e monitorar o rio, em função dos impactos ambientais e socioeconômicos que serão causados no Espírito Santo pela lama de rejeitos que atingiu o Rio Doce.
A determinação do Instituto é para que a empresa promova todo o apoio necessário aos municípios e aos cidadãos capixabas que forem atingidos pela onda de lama. Para isso, a mineradora  deverá realizar ações que minimizem os impactos ambientais decorrentes da impossibilidade do tratamento de água nos locais afetados pelos rejeitos, assim como pelo comprometimento de outros usos que são feitos do Rio Doce como agricultura e a pesca.
Em nota, a Samarco informou que está atenta a qualquer repercussão no Espírito Santo e em constante contato com as autoridades competentes.  A empresa disse que está tomando todas as providências possíveis para mitigar os impactos ambientais gerados e, em caso de necessidade, auxiliar prefeituras e as comunidades em eventuais ocorrências.
Do G1.Com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *