Perdas pedagógicas (II) : Dialogando com Luana e externando saudades.

Oi , Luana. Acabei de chegar do seu enterro. É… te encarar naquele caixão não foi fácil… Foi complicado a ficha cair… Sempre te conheci cheia de vida, comilona e bagunceira, vivia “tirando onda” com tudo. É impossível dar uma de durona nessas horas. É impossível ver seus colegas de turma lá presentes lamentando sua perda, lembrar-me das aulas dadas a vocês, das risadas, das brincadeiras em sala, e não chorar; lembrar também do sepultamento de Jardiele e na amizade maravilhosa que vocês tinham.

Umas das coisas que me veio na mente ao te ver ali foi o primeiro dia de aula em fevereiro de 2013, o primeiro ano que fiquei sem trabalhar na Escola Intermediária Vitória Tenório Vaz. Eu estava triste, porque via os alunos passarem de frente de minha casa e eu não dar aulas lá. Quando menos esperava, você apareceu junto com outros alunos e veio me ver… Poxa, aquilo foi muito emocionante pra mim! Percebi que, mesmo não lecionando na escola, ainda era lembrada por vocês! Isso não tem preço!

Outro momento que me recordei também foi quando soube do falecimento do meu aluno Emerson , vítima de câncer, aos seus 12 anos de idade. Ele foi meu aluno da Escola Maria Edelvita, de Agrestina. Estava fazendo um curso e me mandaram um recado pelas redes sociais, contando a situação. Era um menino de ouro. Lembro-me das lágrimas dele e da mãe ao voltarem no primeiro dia de aula em 2013, naquela escola. Contavam sobre os processos de quimioterapia e da vitória de Emerson sobre a doença. Eu, emocionada, disse-lhe “seja bem-vindo, guerreiro”. Foi outro filho pedagógico que perdi. Outro que marcou profundamente e positivamente minha vida com sua história de luta.

Enfim, Luana, divirta-se aí no céu com Jardiele, e quem sabe encontre Emerson e façam amizade. Espero que os espíritos de luz os acolham em paz. Recebam o carinho dessa professora que sempre considerou demais vocês e hoje sente saudades. Sempre pensei que morreria primeiro que meus alunos, mas a vida nos prega diversas peças. Forte abraço em cada um de vocês.

Professora Elaine Cristina da Silva

09-06-2016

Elaine Silva

Elaine Cristina da Silva (nascida em São Joaquim do Monte - PE, 1989) atua como professora da área de Linguagens na Escola de Referência de Ensino Médio Frei Epifânio. É musicista e exerce também a função de revisora de texto na equipe de Iolita Campos. Graduada em Letras com Habilitação em Língua Inglesa pela FAMASUL (Palmares), possui especialização em Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e Estrangeira pela UNINTER. Apaixonada por música e estudos sobre língua estrangeira, está constantemente buscando novos conhecimentos acerca destes e de diversos assuntos. “Acredito que o conhecimento é algo infinito e o convite feito por Jonata Daniel para ser colunista em seu site me permitirá conversar acerca de diversos assuntos, transmitindo um pouco do que sei e também aprendendo através das pesquisas e interação com os leitores.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *