Reflexão acerca da “reportagem” feita em Agrestina – PE.

Olá , pessoal. Bem, existe um vídeo que está sendo veiculado nas redes sociais em que um “repórter” aborda pessoas da cidade de Agrestina – PE em um dia de feira questionando-as sobre o uso de H2O.
Eu gostaria de dar uma opinião sobre esse fato (mesmo que ela não tenha sido pedida), pois acho que todos temos direito de expressão. Que fique claro, estou expressando MINHA OPINIÃO. Então, assim como respeito os gostos de todos, respeitem a minha também, e desculpem se não vou ser muito formal nesse texto. É mais um bate-papo mesmo.

Achei um ato de constrangimento. Fazer um vídeo expondo as pessoas nas redes sociais, fazendo com que elas se tornem motivo de chacota por não conhecer determinada coisa não é algo legal.
O que falta nos dias de hoje é o “se colocar no lugar do outro”. Se fosse com você ou alguém da sua família, teria graça? Muitas vezes, aquela pessoa que não sabe o significado do termo “H2O” não teve as mesmas oportunidades que nós tivemos de estudar e ter mais acesso ao conhecimento, e muitas vezes, quem tem acesso, NÃO DÁ O MÍNIMO VALOR PARA ISSO.

Einstein tem uma frase que me chama muita atenção (é uma das minhas favoritas dele) e diz o seguinte:

“Todo mundo é um gênio. Mas, se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ela vai gastar toda a sua vida acreditando que ele é estúpido”.

Muitas vezes, a pessoal da qual você fica rindo não teve o estudo que você tem, mas é show de bola do quesito vendedor (a), chefe de família, dona de casa, mecânico, e outras funções que nem eu nem você sabemos fazer. Como diz também Paulo Freire, “Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes”. 

Pense nisso e se coloque no lugar do outro antes de dar risada disso. 

Ah, antes de encerrar, uma sugestão para uma reportagem interessante: faça um vídeo falando sobre a vida de um feirante, um camarada que sai de sua residência de madrugada (muitas vezes em um transporte precário) com sua mercadoria para expor num banco de feira e ainda tem que estar sorrindo e simpático apesar do cansaço, porque senão a freguesia não chega. O que falta no brasileiro é isso, valorizar coisas que realmente merecem valor. E outra: não conheço as pessoas que foram abordadas no vídeo (até os primeiros 40 segundos, porque não aguentei ver o restante).

Obrigada pela atenção. 

Elaine Silva

Elaine Cristina da Silva (nascida em São Joaquim do Monte - PE, 1989) atua como professora da área de Linguagens na Escola de Referência de Ensino Médio Frei Epifânio. É musicista e exerce também a função de revisora de texto na equipe de Iolita Campos. Graduada em Letras com Habilitação em Língua Inglesa pela FAMASUL (Palmares), possui especialização em Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e Estrangeira pela UNINTER. Apaixonada por música e estudos sobre língua estrangeira, está constantemente buscando novos conhecimentos acerca destes e de diversos assuntos. “Acredito que o conhecimento é algo infinito e o convite feito por Jonata Daniel para ser colunista em seu site me permitirá conversar acerca de diversos assuntos, transmitindo um pouco do que sei e também aprendendo através das pesquisas e interação com os leitores.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *