Agrestina a grave crise de Credibilidade.

Criada para contribuir com a redução da criminalidade na cidade de Agrestina, a “Guarda Civil Municipal” (GCM), desde a primeira discursão do projeto, colocado em pauta no dia 24 de agosto de 2015, passou por contendas entre os vereadores da época. Em defesa da criação da guarda o vereador líder da situação (na época) Zito da Barra afirmou que a criação da lei ocorreu em função da necessidade de dar mais segurança à população. Por outro lado, o vereador líder da oposição Ivan Bulhões (na época), questionou aos demais que o projeto iria servir apenas de um “arrumadinho”, e que deveria ao menos elabora-se um concurso público, para tal função.  O projeto de lei que regulamentou a Guarda Municipal, de autoria do Presidente da Câmara de Vereadores de Agrestina (na época), Paulo Lima, contou com os esforços do poder executivo.

Com uma proposta de garantir maior conforto e segurança entre a população, a guarda municipal e o poder executivo não contavam com uma grave crise de credibilidade, em seus serviços prestados na segurança pública do município. Desde os casos que envolve agentes da guarda municipal nas páginas de cunho policial a falta de credibilidade por parte de uma população que deixa de creditar a confiança naqueles que deveriam ao menos nos proteger.

Em entrevista ao Jornal Vanguarda, na Caruaru FM, o jovem Gleyson denunciou o abuso de autoridade por parte de policiais militares, chefiados por agentes da guarda civil municipal de Agrestina. Na entrevista o jovem se diz indignado com a situação em que foi vítima, e que levou o caso para promotoria de justiça.

Também em entrevista o adolescente intitulado Lucas, informou sobre a confusão que motivou a abordagem dos policiais na última terça-feira (04), no distrito de Barra do Chata, o mesmo denunciou que o agente  de nome “kaique”, anda portando arma de fogo e que sofrem ameaças constantes dos agentes e policiais chefiados por parte do governo municipal e da guarda civil municipal.

Ainda ao vivo a emissora procurou contato com a assessoria de comunicação da prefeitura de Agrestina, que informou que não se pronunciaria do caso.

Mesmo diante de tais problemas, a população teme ao denunciar, o abuso por parte dos agentes. E perguntas continuam sem respostas: De quem será a culpa? Quem fiscaliza? Quem contrata? Cadê o tal concurso público?

O fato, é que fazem vistas grossas a tantos problemas e transtorno causados ao povo, e claro é comemorado como grandes conquistas, obras/ações que é de obrigação e responsabilidade daqueles que foram eleitos para administrarem e governarem a nossa querida Agrestina.

 

ATENÇÃO:

Por lei, só podem obter o porte de arma os guardas municipais de cidades com mais de 500 mil moradores. Em serviço, o porte é permitido em cidades com mais de 50 mil habitantes, condicionado a convênio entre o chefe do Executivo e o Ministério da Justiça.

Jonata Daniel

Daniel, tem 21 anos e nasceu em São Joaquim do Monte/PE, mora atualmente em Agrestina/PE. Estudante Técnico em Enfermagem Jônata é repórter fotográfico e fundador do Blog, criado à quatro anos quando ainda cursava o ensino médio na Escola de Referência Professor José Constantino. “O blog me ajudou a entender complexos importantes e ver que não era o único adolescente insatisfeito com problemas do dia a dia. Através dos textos e fotos descobri um novo universo que acabou virando meu trabalho”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *